(Português do Brasil) Retrospectiva 2021: 10 momentos na ciência! (V.4, N.12, P.3, 2021)

Facebook Twitter Instagram YouTube Spotify

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Tiempo de leer: 7 minutos

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

#acessibilidade Momento em que a enfermeira Mônica Calazans foi vacinada contra a Covid-19.

O início de 2021 no Brasil foi marcado pela primeira pessoa vacinada contra COVID-19: a enfermeira Mônica Calazans. Foi em 17 de janeiro com o imunizante Coronavac, um momento de grande emoção e visibilidade no país, desde essa data são aproximadamente 143 milhões de brasileiros totalmente imunizados, além desse ótimo passo contra a pandemia de COVID-19, existiram outros destaques ao longo do ano. Como substâncias estranhas que permitiram a vida no planeta, questões sobre o meio ambiente e sustentabilidade, lideranças femininas, novo bug do milênio, tudo isso no Guia dos Entusiastas da Ciência.

1. Em 2021, apesar da empolgação com o início da vacinação contra a COVID-19, continuamos a lidar com boatos e colocações distorcidas sob o olhar científico. Com acontecimentos a nível mundial, é improvável que não existam pessoas ou entidades tentando espalhar os mais diversos tipos de informações falsas. Uma das notícias falsas que mais se popularizou foi a de que o coronavírus foi criado em laboratório. Notícia esta que foi rapidamente invalidada por diversos cientistas. Mas, como podemos saber de onde saiu essa conclusão? Como os cientistas sabem que o Sars-Cov-2 teve uma origem natural? Para isso precisamos primeiro entender o que é um vírus e como o DNA dos organismos é manipulado pelos cientistas. Conhecendo as técnicas de manipulação genética, podemos também saber quais são os rastros que essas técnicas deixam. Para entender melhor sobre o tema, leia nosso texto “Como sabemos que o vírus da Covid-19 não foi criado em laboratório?

 

2. Em fevereiro pontuamos alguns conceitos aprendidos no ensino médio como a equação geral dos gases. Bom, se não se lembra vamos refrescar sua memória. A equação geral dos gases ou equação de Clapeyron é a famosa: PV, igual a N, R, T, e tem uma cara assim: PV = nRT
Essa equação diz como as características de um gás IDEAL se relacionam, sendo que P é a pressão do gás, V é o volume que ele ocupa, T é a temperatura e n é o número de mols da amostra, lembre-se que o número de mols está ligado à quantidade de moléculas que estão na amostra. Tá se lembrando?

Você pode explorar esse tema com a leitura do nosso texto “A substância estranha que permitiu a vida no planeta”.

 

3. Em março, a Ciência Brasileira em evidência com o nanoscópio. Ironicamente ou não, o mundo “nano” (um bilhão de vezes menor que um metro) vem crescendo! A nanociência e a nanotecnologia vêm ganhando forma e se apresentando nos mais variados campos, mas sem dúvidas um dos grandes representantes desse grupo é o grafeno!

Famoso por sua supercondutividade, o grafeno está diretamente relacionado ao nosso protagonista de hoje: o nanoscópio. Assunto em alta, leia nosso texto “Nanoscópio brasileiro é capa da Nature!

 

4. É inegável a importância do Meio Ambiente para a sobrevivência humana. Afinal, é dele que conseguimos retirar todos os recursos naturais para podermos viver. E mesmo estando evidente como somos dependentes deste Meio, por muito tempo a humanidade esteve degradando estes recursos, fato que ainda ocorre nos dias de hoje e que está trazendo consequências que serão irreversíveis.

Dessa forma, desde a década de 1960, o impacto ambiental começou a ter mais importância para ambientalistas e organizações internacionais, a fim de que desastres nos mais diversos âmbitos fossem evitados e a Natureza fosse preservada. Foi então que em 1972, a Organização das Nações Unidas (ONU) designou o dia 5 de junho como Dia Mundial do Meio Ambiente na Conferência de Estocolmo sobre o Ambiente Humano, levando, também, à criação do PNUMA, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. Desde então este dia é celebrado anualmente. Para mais informações, leia nosso texto “A importância do dia mundial do meio ambiente”.

 

5. Junho é o mês do meio ambiente, no qual muito se fala em sustentabilidade e conservação ambiental. Quando falamos em conservar a biodiversidade brasileira, é não apenas para que essa e as futuras gerações possam contemplá-la, mas, sobretudo, para sustentar as gerações do hoje e do amanhã. Isso inclui gerar benefícios sociais e econômicos, possíveis por meio do desenvolvimento sustentável.

Para ser sustentável, a questão em pauta precisa ser ambientalmente adequada, economicamente viável e socialmente justa. Infelizmente, em pleno 2021, a maior parte das decisões são baseadas em estratégias insustentáveis — aquelas que consomem os recursos naturais enquanto cresce a desigualdade social.

Neste contexto, poderíamos citar vários exemplos ocorrentes ao longo do vasto território brasileiro, mas vamos abordar a pauta da Amazônia, em especial. Assunto quentíssimo que você pode ler em nosso texto “A política da (in)sustentabilidade”.

 

6. A Ciência também contribui para uma sociedade mais justa e igualitária combatendo todo e qualquer tipo de preconceito e discriminação.
“Na minha opinião, eu acho que existem muitas pessoas que fizeram muitas coisas erradas que estão aí pagando seus erros em ad eternum,

para sempre em prisão, que poderiam ajudar nesses casos aí, de pessoas para experimentos”. Essa foi a fala da apresentadora Maria da Graça Xuxa Meneghel, a Xuxa, de 58 anos, em uma live realizada no fim de março pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). Não sendo o bastante, ainda completou: “Acho que pelo menos eles serviriam para alguma coisa antes de morrer”.

A fala da Xuxa deixa clara uma opinião de que a utilização em experimentos da população carcerária, no Brasil composta em mais de 65% por negros, é aceitável. Essa é uma visão racista e eugenista, além de ser uma violação dos Direitos Humanos.

Mas o que tudo isso quer dizer? Leia, estude, aprenda e se informe em nosso texto “COVID e eugenia

 

7. Mulheres em evidência! Ainda há muito o que ser feito. “No futuro não haverá líderes femininas; haverá apenas líderes.”

Essa fala da bem-sucedida empresária norte-americana Sheryl Sandberg, escritora e chefe operacional do Facebook, revela que paulatinamente os tempos mudam e a liderança feminina no mercado de trabalho se faz cada vez mais presente, porém nem sempre foi assim. Mesmo com o crescimento no mercado de trabalho, a mulher ainda se depara com algumas dificuldades e preconceitos, pois muitas permanecem com todas as atividades do lar, necessitando muitas vezes conciliar casa, filhos, marido e trabalho. Outro fator relevante é que a mulher ainda apresenta, na maioria das profissões, uma desigualdade salarial.

Para um melhor entendimento, leia nosso texto “Liderança feminina e os desafios da mulher no mercado de trabalho

 

8. Anos se passam e nos deparamos com “Bugs”. Próximo do ano 2000 o chamado “Bug do Milênio” ou “Problema do Ano 2000” ou mesmo “Y2K” assombrou o mundo, com estimativas prevendo um custo de até 600 bilhões de dólares para consertar seus efeitos. Com tempo para se preparar, o mundo não foi tão afetado como se supunha, mas não ficamos totalmente livres de algo assim e em 2038 algo parecido pode acontecer e será potencialmente mais grave. Saiba mais, leia nosso texto “2038 e o novo bug do milênio

 

9. As grandes contribuições da Ciência. As Microagulhas podem ser definidas como agulhas minúsculas, pequenas o suficiente para serem medidas em milionésimos de metro (μm), as quais são desenhadas para fornecer medicamentos. Mas “agulhas” talvez seja um nome inadequado. Em termos de funcionalidade, as microagulhas têm mais em comum com os adesivos transdérmicos, como aqueles usados ​​para fornecer nicotina para ajudar as pessoas a deixar de fumar, do que com as tradicionais agulhas hipodérmicas. Sistemas de distribuição transdérmica de drogas (TDDS) geraram grande interesse como alternativa preferida à administração oral de drogas e injeções hipodérmicas, desde que o primeiro adesivo transdérmico de escopolamina para enjoo foi aprovado pela agência regulatória americana Food and Drug Administration (LI e colab., 2016).

A via transdérmica oferece muitas vantagens em relação a outras vias de administração, pois é um sistema de entrega de medicamento não invasivo que mantém o nível do medicamento no organismo estável, aumentando assim sua eficácia. Através da manutenção de níveis estáveis do medicamento na circulação sistêmica por prolongados períodos de tempo, assegura que o medicamento permaneça dentro de seu nível terapêutico, evitando picos e quedas do nível plasmático ao fornecer concentração sanguínea estável. Além disso, comparada a via oral, a administração transdérmica também poupa a degradação da droga no trato gastrointestinal, melhorando a adesão do paciente e a aceitabilidade da terapia (VORA e colab., 2021). Além disso, ressaltamos que a aplicação de microagulhas é indolor, pode ser administrada por pessoas não treinadas ou até mesmo pelos próprios pacientes. Conheça mais em nosso texto “Laboratório brasileiro desenvolve microagulhas poliméricas para a entrega de fármacos através da pele”.

 

10. Curiosidades da área acadêmica. O fator rivalidade sempre foi extremamente relevante na equação das disputas históricas, a princípio, parece algo restrito ao cenário esportivo, afinal quem não gosta de uma disputa futebolística contra o seu maior rival? Em que cada gol, cada segundo define quem estará ou não no panteão dos imortais.

Acadêmicos e intelectuais de vários campos da ciência não são diferentes, embora a história tenha uma propensão a retratá-los como seres privilegiados, com uma persistência inabalável e implacável, dedicados a responder às grandes questões da humanidade. Essa mistura de excelência e gentileza realmente não toma forma na realidade. Para mais informações, leia nosso texto “Um Nobel, duas ideias: A rivalidade entre os “pais” da neurociência”.

Nós, entusiastas, aguardamos euforicamente mais explicações e mais momentos da ciência em 2022! Continue com a gente!

Fontes:

https://especiais.g1.globo.com/bemestar/vacina/2021/mapa-brasil-vacina-covid/

Compartilhe:

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *