(Português do Brasil) Sirius, a “estrela mais brilhante do céu noturno”, é inaugurado! (V.1, N.6, P.4, 2018)

Facebook Twitter Instagram YouTube

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Tiempo de leer: 2 minutos

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

#acessibilidade Visão aérea do Sirius em 15 de Junho de 2018, com 68 mil metros quadrados de área construída.

No dia 20/11/2018, no campus do Centro Nacional de Pesquisas em Energia e Materiais (CNPEM), localizado em Campinas, SP, foi oficialmente inaugurada a primeira etapa da nova fonte de luz síncrotron brasileira – Sirius. Essa é, até hoje, a maior estrutura de pesquisa já concebida e executada no Brasil. Desde a construção civil – a estrutura do terreno deve garantir que não ocorram vibrações maiores que 50 nm (1 nm = bilionésima parte do metro) para não afetar a circulação do feixe de elétrons no interior do anel de armazenamento – até o projeto das linhas de luz e do fornecimento de vários componentes que farão parte dessa imensa obra, mais de 70% foram projetados por pesquisadores e empresas brasileiros.

O Sirius será um laboratório de luz síncrotron de 4ª geração (caracterizado por apresentar uma emitância “ultrabaixa”, que é uma medida do tamanho e da divergência angular do feixe de elétrons). No momento de sua abertura para usuários externos – projetado para o segundo semestre de 2019 – será o segundo laboratório em operação com essas características no mundo – o primeiro deles foi o MAX-IV, já em operação na Suécia. O nome “Sirius”, que faz referência à “estrela mais brilhante do céu noturno”, foi escolhido em um concurso interno entre os colaboradores do CNPEM. Dois membros da equipe escolheram o mesmo nome e foram contemplados com uma placa em homenagem ao maior número de votos recebidos.

Com o início de operação dessa nova fonte de luz síncrotron, pesquisas relacionadas ao desenvolvimento de novos fármacos, descrição da estrutura atômica e molecular de novos materiais, e até mesmo à elucidação de mecanismos que possam levar à cura de doenças como o vírus da Zika, por exemplo, poderão ser conduzidas por equipes de pesquisadores brasileiros e do exterior. Estamos todos no aguardo para que essa “estrela” brilhe muito em terras brasileiras!

Fonte:

Fonte da imagem destacada: Laboratório Nacional de Luz Síncrotron

http://lnls.cnpem.br/sirius

Compartilhe:

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *