(Português do Brasil) Pais influenciam a ansiedade dos filhos sobre matemática? (V.5, N.8, P.4, 2022)

Facebook Twitter Instagram YouTube Spotify

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Tiempo de leer: 4 minutos

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

#acessibilidade: três crianças resolvendo operações: 1+6, 5+2, 2+3, respectivamente, na lousa.

“Tudo bem, matemática é difícil mesmo”

Quem nunca ouviu ou falou algo parecido? Quando se fala de números, operações e funções algumas pessoas já perdem as esperanças. Começam a suar, o coração começa a bater mais rápido, na mente já vem frases como “não sou bom nisso” ou “sou de humanas”. O que muitos não sabem é que estes são sinais do que chamamos “ansiedade matemática”.

Não é que não exista dificuldade na aprendizagem da matemática, mas o fato destes questionamentos aparecerem em situações cotidianas que envolvam números, como calcular o quanto você precisa pagar ou receber de troco, pode ser  sinal de algo mais sério.

Pais que carregam essas questões podem influenciar a aprendizagem dos filhos. Um estudo de 2015 mostra a influência negativa da ansiedade matemática dos pais no rendimento acadêmico de seus filhos de 6 e 7 anos, quando os ajudavam nas lições de casa da disciplina.

Mais recentemente, em  2021, pesquisadores da Universidade de Chicago mostraram que a quantidade de falas que contenham números ditas por pais, mães e outros cuidadores para crianças ainda mais novas, de até 3 anos de idade, podem refletir o nível de ansiedade matemática destes cuidadores. Como estas falas compõem a proximidade que estas crianças têm com números no seu cotidiano, sua aprendizagem pode ser afetada por sua falta.

Saber que esta influência existe pode ajudar pais, educadores e estudantes a minimizar os efeitos da ansiedade matemática. Mas o que podemos fazer?

  • Em casa: um primeiro passo seria evitar o uso de estereótipos que fortalecem a repulsa por tudo que tem haver com matemática. Nada de “é difícil mesmo”, “sou (só) de humanas, biológicas ou exatas”, ou pior “homens são melhores que mulheres em matemática”, o que não é verdade e causa maiores níveis de ansiedade matemática entre mulheres. Por que não substituir essas frases por: esta (e não “é”) difícil, mas sei que você consegue” e “hoje, tenho mais afinidade (ou facilidade) pelas ciências biológicas/ exatas /humanidades”. Furner e Duffy, em um trabalho de 2002, já falavam sobre a importância de enfatizar  que todo mundo faz erros em matemática, e isso faz parte do processo de aprendizagem. O mesmo estudo de 2021 citado anteriormente, sugere a criação de situações que promovam a conversa sobre assuntos de matemática, por meio de livros, apps e jogos.
  • Na sala de aula:   Furner e Duffy propuseram, também, que os professores permitam que os estudantes tenham alguma participação na sua própria avaliação, para que entendam melhor suas dificuldades e facilidades. Algo a ser levado em consideração durante a aula é a importância dos raciocínios criativos para as soluções dos problemas ao invés de só valorizar soluções já formalizadas, o que ajuda a desenvolver o raciocínio lógico e mostrar que a matemática também é criativa, no lugar de fortalecer o estereótipo que matemática é fazer conta e decorar fórmulas. Ou seja, avaliar mais do que corrigir. Outras pesquisas como a de Samuel Ken-En e colaboradores mostram a boa influência que a música tem no aprendizado da matemática. Incentivar os estudantes a aprenderem a tocar um instrumento, ou fazer um momento musical antes de iniciar a aula pode ser uma boa dica. Outra dica é pedir para os estudantes escreverem sobre seus sentimentos sobre matemática antes de realizar uma atividade. Pesquisas indicam que pode haver melhora em sua performance. Também é importante ter acesso a outras metodologias de ensino, que tragam a utilidade do que está sendo ensinado e a proximidade da matemática em nosso dia a dia, partindo por exemplo,  da história da matemática.
  • Para os futuros professores: é preciso  pensar em uma formação que considere os aspectos emocionais da aprendizagem. Especialmente professores dos primeiros anos, precisam ter uma base aprofundada dos conceitos matemáticos, precisam estar  familiarizados e ter domínio do que precisa ser ensinado. Os erros conceituais devem ser minimizados e sua insegurança não pode ser transmitida para as crianças.

Você pode até continuar achando Matemática difícil, mas não deve ser motivo de pânico pra ninguém.

Fontes:

Fonte da imagem destacada: Imagem de Mohamed Hassan por Pixabay

Berkowitz, T., Gibson, D.J. & Levine, S.C. (2021). Parent math anxiety predicts early number talk.  Journal of Cognition and Development, 22(4), 523-536.

CARMO, João dos Santos  e  FERRAZ, Ana Claudia Toledo (2012). Ansiedade relacionada à matemática e diferenças de gênero: uma análise da literatura. Psicol. educ,n.35 

FURNER, Joseph M.; DUFFY, Mary Lou. (2002) Equity for all students in the new millennium: Disabling math anxiety. Intervention in school and Clinic, v. 38, n. 2, p. 67-74.

GAN, Samuel Ken-En; LIM, Keane Ming-Jie; HAW, Yu-Xuan.(2016) The relaxation effects of stimulative and sedative music on mathematics anxiety: A perception to physiology model. Psychology of Music, v. 44, n. 4, p. 730-741.

MALONEY, Erin A. et al. (2015). Intergenerational effects of parents’ math anxiety on children’s math achievement and anxiety. Psychological Science, v. 26, n. 9, p. 1480-1488.

PARK, Daeun; RAMIREZ, Gerardo; BEILOCK, Sian L. (2014). The role of expressive writing in math anxiety. Journal of Experimental Psychology: Applied, v. 20, n. 2, p. 103.

Outras publicações:

Ansiedade matemática dos pais prejudica aprendizado dos filhos – Rede Nacional de Ciência para a Educação (Rede CpE) (cienciaparaeducacao.org)

D-20 – Uma Visão da Psicologia: Ansiedade à Matemática – YouTube

Why do people get so anxious about math? – Orly Rubinsten – YouTube

Compartilhe:

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *