(Português do Brasil) Um Nobel, duas ideias: A rivalidade entre os “pais” da neurociência (V.4, N.11, P.2, 2021)

Facebook Twitter Instagram YouTube Spotify

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Tiempo de leer: 9 minutos

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

#acessibilidade Ilustração de Santiago Ramón y Cajal e Camilo Golgi em um palco para a entrega do prêmio Nobel.

Texto escrito pelos colaboradores Alan Danilo dos Santos Casote e Luiz Gabriel Zorzi Silveira Padilha

O fator rivalidade sempre foi extremamente relevante na equação das disputas históricas, a princípio, parece algo restrito ao cenário esportivo, afinal quem não gosta de uma disputa futebolística contra o seu maior rival? Em que cada gol, cada segundo define quem estará ou não no panteão dos imortais.

A rivalidade parece algo intimamente ligado ao aspecto emocional, distante da racionalidade, estudos em neurociência realizados pela Universidade de Istambul na Turquia (local de torcidas apaixonadas por futebol) observaram que os fanáticos por futebol possuem padrões de ativação e conexão do cérebro com destaque a ativação de regiões majoritariamente responsáveis por funções cognitivas e emocionais. Mesmo a relação entre futebol e neurociência gerando um estudo de caso intrigante, esse é um papo para um próximo texto… Hoje me restringirei à rivalidade em outros gramados.

Gente como a gente

Acadêmicos e intelectuais de vários campos da ciência não são diferentes, embora a história tenha uma propensão a retratá-los como seres privilegiados, com uma persistência inabalável e implacável, dedicados a responder às grandes questões da humanidade. Essa mistura de excelência e gentileza realmente não toma forma na realidade.

O físico inglês Isaac Newton triunfou em diversas áreas da física: a Lei da Gravitação Universal, a teoria da decomposição da luz solar no espectro e outras inumeráveis contribuições científicas. Entretanto, no período em que não estava causando uma revolução na física, costumava usar seu tempo e poder para esmagar inimigos. O principal deles, o alemão Gottfried Leibniz, responsável por elaborar um método diferente para o cálculo infinitesimal, uma ferramenta matemática indispensável para o estudo de diversas áreas do conhecimento. Após intensas disputas acerca da originalidade do trabalho, Newton saiu vencedor, e com seu prestígio persuadiu o então rei da Grã-Bretanha, George I, a remover Leibniz de sua posição como conselheiro. O alemão morreu pouco tempo depois, em difícil situação financeira.

Alguns documentos que se tornaram públicos após a morte dos célebres cientistas, mostraram que Newton de fato possuía pioneirismo no desenvolvimento do cálculo, mas devido a sua repulsa por críticas aos seus trabalhos, limitou-se a publicar entre um pequeno grupo de amigos. Pouco tempo após a restrita publicação de Newton, Leibniz revelou seu método conceitualmente distinto e desenvolvido de forma independente.

A literatura também foi um terreno fértil para a rivalidade entre os principais autores da literatura hispanohablante: Gabriel García Márquez e Mario Vargas Llosa. A relação entre os dois escritores constitui um caso de rivalidade na literatura que extrapolou o universo ficcional. O relacionamento, que começou como uma amizade famosa, terminou em uma briga e em um olho roxo.

Mesmo se você considerar que cada personagem mencionado até agora merece seu próprio texto, selecionei duas personalidades de relevância singular para a medicina e a neurociência, que travaram uma rivalidade com reviravoltas e ironias no mínimo interessantes.

Cajal: Médico neurocientista e ARTISTA

Santiago Ramón y Cajal, nascido em Petilla de Aragón, na Espanha, teria preferido uma carreira no mundo das artes visuais, mas sob a influência de seu pai, concluiu o curso de medicina na Universidade de Zaragoza. Em 1887 foi nomeado professor de histologia e anatomia em Barcelona e mais tarde ocupou a mesma cadeira que seu pai em Madrid em 1892.

retrato e paisagem - (Português do Brasil) Um Nobel, duas ideias: A rivalidade entre os “pais” da neurociência (V.4, N.11, P.2, 2021)

#acessibilidade Duas imagens, uma à esquerda: Retrato feito no papel com traços apenas em preto de uma jovem, desenhado por Cajal para sua aula de arte em Huesca quando ele tinha dezesseis anos, 1868. Direita: Tela feita em aquarela de uma paisagem com uma capela e árvores, aquarela de Cajal, 1871.

ramon y cajal - (Português do Brasil) Um Nobel, duas ideias: A rivalidade entre os “pais” da neurociência (V.4, N.11, P.2, 2021)

#acessibilidade Foto em preto e branco de Ramón y Cajal em seu laboratório. Ele está sentado ao lado de um microscópio.

Primeira vitória de “Dom Santiago”

Cajal já havia conquistado um triunfo interessante: anos antes de sua principal conquista científica, derrotou a língua alemã, isso mesmo! No início de sua trajetória, os principais anatomistas do século XIX usavam majoritariamente o idioma alemão para a publicação de seus trabalhos. Para Cajal não houve alternativa a não ser fundar seu próprio periódico científico “Histologia Normal e Patológica”, no qual divulgou inúmeros trabalhos em espanhol. Diante do sucesso de suas publicações científicas, em 1896 Cajal repetiu a experiência e criou uma revista especializada em neurociência, a “Revista Trimestral Micrográfica”. Os anatomistas não tiveram outra opção senão estudar a língua pátria do neurocientista espanhol para continuarem atualizados.

Cajal Vs. Golgi: Quem manda no cérebro?

Naquela época, pouco se sabia sobre o sistema nervoso e não havia muitas técnicas disponíveis para estudá-lo tanto estrutural quanto funcionalmente.

Para estudar como o tecido nervoso foi formado, cérebros eram seccionados em camadas finas, que eram observadas e estudadas por microscópios. Como as funções de resolução e ampliação dos instrumentos da época eram bastante limitadas, os resultados não eram muito satisfatórios.

Ramón y Cajal destacou que era difícil a compreensão dos cortes histológicos porque, ao usar o tecido nervoso maduro, o emaranhado manchado era tão grande e complexo que não estava claro se era contínuo ou constituído por estruturas independentes. Diante dessa problemática, Cajal encontrou uma saída elegante: olhar para um tecido nervoso em desenvolvimento em vez de um adulto.

Em 1887, durante uma visita ao seu colega Don Luis Simarro (que experimentava novos métodos de coloração histológica) Cajal ficou impressionado com o aparecimento das lâminas coradas pelo método de Golgi. O espanhol imediatamente começou a usar o método inovador e, em seguida, publicou estudos sobre o cerebelo e a retina. Nesses estudos, Cajal confirmou alguns dos achados já descritos por Camilo Golgi, entretanto ofereceu uma interpretação fundamentalmente oposta no que diz respeito à maneira como as células nervosas estão conectadas umas às outras.

Em contraste, a contribuição mais valiosa de Cajal para a neurociência foi a enunciação de um conjunto de princípios conhecido como doutrina neuronal. De acordo com essa doutrina, o cérebro consiste em um grande contingente de células individuais que se comunicam entre si.

Para descrever com primazia a estrutura morfológica das principais células do sistema nervoso, Cajal utilizou métodos artísticos ousados para sua época. Mesmo não seguindo carreira no mundo da arte, suas gravuras continham enorme precisão, eram verdadeiras obras-primas.

superficie ventral - (Português do Brasil) Um Nobel, duas ideias: A rivalidade entre os “pais” da neurociência (V.4, N.11, P.2, 2021)

#acessibilidade Foto de uma ilustração de uma Superfície ventral da medula e ponte no cérebro humano feito por Cajal.

O método aprimorado por Cajal consistia em ilustrar em uma folha de papel os elementos celulares que ele observava ao alterar o plano focal em cada amostra de tecido contida na lâmina de vidro do microscópio. Era a primeira vez que a ciência tinha diante de si a exata demonstração do grau de complexidade das células presentes no cérebro.

Camilo Golgi: Um adversário à altura

camilo golgi - (Português do Brasil) Um Nobel, duas ideias: A rivalidade entre os “pais” da neurociência (V.4, N.11, P.2, 2021)

#acessibilidade Foto em preto e branco de Camilo Golgi.

Certamente o leitor já ouviu falar de Golgi. Sim! É o mesmo do “Complexo de Golgi” ou “Aparelho de Golgi”, que atua ajudando a transportar lipídios ao redor das células e a produzir lisossomos.Esse aparelho foi identificado pelo médico italiano Camillo Golgi em 1897 e recebeu seu nome em 1898. Bartolomeu Camillo Golgi (1843-1926), nascido em Corteno (montanhas próximas à Brescia, norte da Itália), estudou Medicina na Universidade de Pávia.

Desde sua primeira edição em 1901, Golgi era um sério candidato a receber a maior honraria da ciência, fato que acabou se concretizando pouco tempo depois. O Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina é um prêmio concedido anualmente pelo Instituto Karolinska, da Suécia, em homenagem às pessoas que se destacam nessas áreas de pesquisa.

A técnica de coloração de Golgi representou um avanço tecnológico extremamente relevante no estudo do sistema nervoso. Em sua chamada “Reação Negra”, Golgi enrijeceu blocos de tecido nervoso com potássio bicromático e os imergiu em uma solução de nitrato de prata. Ao olhar para as lâminas do microscópio, as células nervosas completas com seus ramos dendríticos e axônios podiam ser vistas.

A técnica, amplamente utilizada na observação de células nervosas antes de Camilo Golgi, consistia em fixar a amostra com dicromato de potássio e, depois de alguns procedimentos, a coloração era feita com vermelho carmim ou hematoxilina. A técnica anterior funcionava muito bem para outros tipos de célula; todavia, quando o assunto eram neurônios, ela não gerava resultados satisfatórios.

Embora tivesse o método que provaria o contrário do que pensava, Golgi estava convencido de que o processo essencial de funcionamento do sistema nervoso ocorria por meio de uma intrincada rede de axônios fundidos, que constituíam a estrutura integrativa fundamental do cérebro, atribuindo aos dendritos uma função secundária puramente nutricional.

Um palco ilustre

O Prêmio Nobel de Medicina de 1906 guarda peculiaridades: a primeira delas é o fato de ter sido o primeiro a premiar uma dupla e a segunda por ter premiado, de modo irônico, Cajal e Golgi “Em reconhecimento ao seu trabalho na estrutura do sistema nervoso” mesmo chegando a concepções teóricas fundamentalmente distintas. Embora o clima estivesse frio do lado de fora do salão da Academia Real Sueca de Música, não é possível dizer o mesmo dos laureados com a grande honraria da ciência. Ao receber sua medalha Golgi aproveitou o momento para provocar Cajal:

“Devo me restringir e apenas dizer que, enquanto admiro o brilhantismo da doutrina neuronal como algo extremamente meritório do alto intelecto do meu colega espanhol, não posso concordar com ele com algumas questões que são de fundamental importância para sua teoria”

Camilo Golgi

Contrariado com as declarações de Golgi, o neurocientista espanhol resolveu contra-atacar. É tradição que os agraciados com o prêmio Nobel ministrem uma palestra para apresentar o trabalho premiado. Em dado momento da palestra, Cajal fixou seus olhos em seu desafeto, e respondeu a provocação de Golgi de forma incisiva.

“Apenas é possível lamentar pelo destino desse cientista que, nos últimos anos de uma vida bem preenchida com inúmeras conquistas, tinha de sofrer a injustiça de testemunhar a ascensão de uma verdadeira falange de jovens cientistas que agora ameaçam transformar suas mais elegantes e originais descobertas em meros erros”

Santiago Ramón y Cajal

Para os presentes, a vitória de Cajal foi indiscutível. A doutrina neuronal foi confirmada e a reticular refutada. Isso significava não apenas que a estrutura básica do sistema nervoso agora era conhecida, mas que era consistente com a teoria celular avançada descrita algumas décadas antes: o tecido nervoso também era feito de células. Portanto, essas células foram chamadas de neurônios.

Reviravolta inesperada

Décadas após a feroz disputa na Suécia, a visão reticulada defendida por Golgi ressurgiu das cinzas e se mostrou correta. O núcleo olivar inferior, estrutura ligada ao controle motor, foi o responsável pela redenção e vitória tardia de Camilo Golgi. Suas visões sobre rede neural (sendo ele um dos primeiros a utilizar essa expressão) continuam inspirando gerações de neurocientistas pelo mundo. Na verdade, é seguro afirmar que a única vencedora da rivalidade entre Golgi e Cajal foi a ciência.

Fontes:

Imagem destacada : autor (Alan Danilo dos Santos Casote)

Imagem 2: SWANSON, Larry: “The Beautiful Brain: The Drawings of Santiago Ramón y Cajal, pag. 22”

Imagem 3: SWANSON, Larry: “The Beautiful Brain: The Drawings of Santiago Ramón y Cajal, pag. 25”

Imagem 3: SWANSON, Larry: “The Beautiful Brain: The Drawings of Santiago Ramón y Cajal, pag. 145”

Imagem 4: Unknown author, Public domain, via Wikimedia Commons

https://universidadedofutebol.com.br/2020/08/20/neurociencia-e-o-futebol/

https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/reportagem/cientistas-em-pe-de-guerra-5-grandes-disputas-da-historia-da-ciencia.phtml

Rivalidade máxima | Super (abril.com.br)

Maiores Rivalidades da História – Trama (editoratrama.com.br)

https://comosabemos.com/2015/08/06/duelo-de-titanes-camillo-golgi-vs-santiago-ramon-y-cajal/

Compartilhe:

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *