(Português do Brasil) Evolução: uma visão histórica (V.3, N.6, P.1, 2020)

Facebook Twitter Instagram YouTube Spotify
Tiempo de leer: 4 minutos

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

#acessibilidade Montagem de um DNA no centro e duas mão, uma mão humana à esquerda a outra de um gorila à direita, ambas apontando para o DNA. A composição da imagem é semelhante à obra “A Criação de Adão” de Michelangelo.

A evolução dos seres vivos foi compreendida de diversas formas ao longo do tempo. Existem muitas visões religiosas, filosóficas e científicas a respeito de como os organismos atuais surgiram na Terra. O criacionismo faz parte de muitas culturas e atua com grande papel no desenvolvimento da humanidade sob o aspecto cultural há milênios. Os criacionistas creem que toda a matéria do universo e todos os organismos são criação de um agente sobrenatural. Estes organismos não seriam correlacionados evolutivamente, pois todas as espécies teriam sido criadas individualmente. No século XVIII, porém, começaram a surgir estudos científicos sobre evolução que passaram a mudar a mentalidade da época sobre como os organismos se relacionam evolutivamente.

Primeiramente precisamos compreender quais eram os primeiros entendimentos da humanidade sobre o parentesco entre organismos. Aristóteles (384-322 a.C) acreditava na existência de um princípio ativo que proporcionaria a criação de vida, denominando esta teoria como abiogênese ou geração espontânea. Esta crença começou a ser questionada no século XVII, notoriamente por Franscesco Redi (1626-1697), que compreendeu que moscas não nasciam da comida e sim de ovos deixados por moscas preexistentes. Lazzaro Spallanzani (1729-1799) realizou um experimento semelhante, reforçando o resultado de Redi. Neste período o movimento da abiogênese era fortemente defendido, portanto acreditar que todos os organismos eram sempre gerados a partir de outros pré-existentes era fortemente radical, já que ia contra as crenças da época. Somente por volta do século XIX, quando Louis Pasteur (1822-1895) refutou a abiogênese com experimentos controlados a partir do método científico a academia passou a aceitar a hipótese de que os organismos surgem de uma vida pré-existente.

Dado isso, assumindo então que todos os organismos possuem algum grau de parentesco e que, consequentemente, possuem um ancestral comum a todos os seres vivos, podemos discutir sobre evolução. Na segunda metade do século XIX, Charles Darwin (1809-1882) e Alfred Wallace (1823-1913) reuniram seus estudos, semelhantes, e desenvolveram a Teoria da Evolução por Seleção Natural. Particularmente, “A Origem das Espécies” de Darwin trata sobre duas teses:

(i) todos os organismos descenderam com modificações de um ancestral comum e

(ii) o principal agente de modificação é a ação da seleção natural sobre a variação individual.

Portanto, esta teoria diz que os organismos herdam as mudanças gradualmente e estas mudanças são selecionadas pela seleção natural.

A adaptação é vista equivocadamente como o desenvolvimento de novas características com o objetivo de melhorar uma espécie de forma objetiva e direcional. Apesar disso, o processo adaptativo é o resultado da seleção de características preexistentes que aumentam a probabilidade de um indivíduo deixar mais descendentes. Por exemplo, um pássaro que possua alguma variação na plumagem que atraia mais fêmeas para a cópula possui mais chances de deixar descendentes. Esta nova característica o deixa mais adaptado ao ambiente do que os outros indivíduos. A adaptação pode ocorrer de diversas formas dependendo da população e do ambiente em que ela se encontra, haja vista que a seleção atua sob características pré-existentes e não gera novas características, portanto nunca atua com o objetivo de moldar um “ser perfeito”.

O período da chamada síntese moderna, que durou entre 1930 e 1940 concilia a teoria da seleção natural com os descobertos estudos genéticos de Gregor Mendel (1822-1884) e com estudos sobre genética populacional. Em 1953 é descoberto o modelo de dupla fita do DNA. Neste período a herdabilidade passa a ser entendida sobretudo como dependente de um agente físico-químico, passado para os descendentes, e que é sujeito a erros. As mutações são estes erros que ocorrem ao acaso durante a replicação do genoma na produção de gametas, por exemplo. Esta nova informação genética pode ter inúmeros resultados, entre eles dar origem a uma nova proteína, que pode ser vantajosa, desvantajosa ou indiferente.

A genética, portanto, revolucionou o entendimento de evolução. Novos modelos de seleção natural foram formulados, novas forças evolutivas foram sendo descobertas e um novo conceito de evolução foi adotado. A evolução passa a ser vista como uma variação na composição genética ao longo das gerações, não é um conceito atrelado unicamente ao surgimento de novas espécies, mas sim às modificações que são herdadas a nível populacional e que eventualmente podem causar a especiação. Sabendo que o nosso conceito de evolução está atrelado a isso, temos então ao longo dos anos estudos voltados a entender as forças evolutivas. Em uma população em equilíbrio de Hardy-Weinberg as frequências alélicas se mantém constantes ao longo das gerações, ao passo que quando sofrem um desvio elas estão sob ação de força(s) evolutiva(s) e consequentemente evoluindo. As forças evolutivas mais estudadas são: mutações, seleção natural, deriva genética e fluxo gênico. A deriva genética é uma força que altera a composição genética por conta do erro amostral, não direcionando a evolução a favor de algum alelo. Já o fluxo gênico é a introdução ou saída de genes de uma população por conta da migração, alterando então a composição genética da população.

A evolução é apenas um dos conceitos que podemos tomar como modelo para compreender como a ciência muda ao longo do tempo. Aristóteles não estava errado em seus pensamentos, o seu tempo na história possuía diversos limitantes que hoje, mais de 2 mil anos depois, não temos mais. Agora conhecemos a genética, o DNA, as forças evolutivas e a evolução em si, que compreende muitos aspectos que não são meramente triviais. Portanto é essencial que estejamos sempre nos atualizando, buscando novas informações e investindo no avanço científico.

Fontes:

http://www.esalq.usp.br/lepse/imgs/conteudo_thumb/A-Evolu–o-de-Darwin.pdf

http://www.theoria.com.br/edicao0711/evolution.pdf

Vídeo Cladística – reconstruindo a Evolução (#Pirula 94) do Canal do Pirulla no YouTube

Outros divulgadores:

Série de Vídeos Principais Confusões com Relação à Evolução do Canal do Pirulla no YouTube

Compartilhe:

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *