(Português do Brasil) Crônica de uma tragédia anunciada: a morte assistida do Museu Nacional (V.1, N.4, P.1, 2018)

Facebook Twitter Instagram YouTube Spotify
Tiempo de leer: 4 minutos

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

#acessibilidade Foto do Museu Nacional ardendo em chamas.

Texto escrito pela colaboradora Fabiana Rodrigues Costa Nunes

Neste dia emblemático, dia do biólogo… a formação que me possibilitou a especialização em Paleontologia pela qual hoje trabalho… Neste ano emblemático, bicentenário do Museu Nacional… instituição que me acolheu nesta especialização e que é hoje referência da minha formação como paleontóloga… Dia e ano emblemáticos acometidos pelo golpe de uma tragédia longamente anunciada quando, nesta madrugada, o Bastião da História, Ciência e Cultura de nosso país ardeu em chamas e se reduziu, diante dos nossos olhos estarrecidos, a cinzas. Sem que nada pudéssemos fazer a não ser desesperar-nos pela agonia de assistir, impotentes, este baluarte agonizar consumido pelo fogo que o corpo de bombeiros não conseguiu controlar.

Não havia água nos hidrantes… não havia verba nos cofres… não havia um olhar de consolo para este gigante que implorava na mendicância e no abandono de um descaso público tão imensurável quanto a tragédia que o acometeu. E agora, como o doente que agonizava pelo remédio que lhe furtaram, resta o lamento da sua morte por aqueles que não puderam por ele em vida.

Para aqueles que ainda titubeiam em reconhecer a importância desta instituição que hoje tristemente estampa todos os principais jornais do mundo, esta foi a residência da Família Real Portuguesa (1808-1821) e da Família Imperial Brasileira (1822-1889) e que completou, no dia 6 de Junho deste ano, 200 anos de existência, não obstante abrigue em seu seio inestimável material que retrocedem em tantos muitos idos anos a sua história, como Luzia, esqueleto do mais antigo fóssil humano encontrado nas Américas, fósseis de animais e plantas que reconstroem cenários passados de nosso país e do mundo, objetos constituintes do acervo arqueológico egípcio, mediterrâneo, pré-colombiano e brasileiro, muitos deles reunidos sistematicamente pelo próprio Dom Pedro I, além de tudo o quanto foi, ao longo deste bicentenário, compilado pelos esforços contínuos de pesquisadores nas mais diversas áreas de conhecimento que a instituição abraça, como Antropologia, Zoologia e Botânica. Sem contar o número incalculável de documentos que registram toda a História da própria instituição e do país, que tem nas suas paredes o receptáculo destes 200 anos que moldaram a sua identidade.

Infelizmente, a Pátria, que tanto se valeu desta instituição para preservar esta mesma identidade guardada e celebrada em seus alicerces por tantos anos, não soube dar à mesma o valor na medida que mereceria o seu mais valoroso baluarte. A despeito de todo empenho despendido de todas as formas por funcionários e pesquisadores da casa, o Museu padecia à míngua, sobrevivendo de esmolas que gotejavam, escassas, nas mãos daqueles ávidos por restaurar um pouco da majestade do lugar, conferindo ao mesmo a importância que lhe era devida.

Todavia, afinal, no Brasil, faz-se valer o velho ditado: é depois da porta arrombada que se admite colocar a tranca. No entanto, no caso do Museu Nacional, e não obstante o que clama agora a ignorância oportunista de alguns políticos, a perda de tal acervo é irreparável. O palácio perdura, ainda, na iminência de que algumas das suas partes não resistam e colapsem, e talvez a sua estrutura possa ser recuperada a partir destas iniciativas de consternação póstuma… mas o acervo está perdido. Perdido para sempre.

E no entanto o Museu Nacional resiste… instituição majestosa como a História que abriga, como a Ciência que, sob seus pilares, se reinventa e reconstrói a cada dia, como a Cultura que ali faz morada, em um país onde nada disto é celebrado e muitas vezes esquecido. Que a tragédia da lenta agonia deste gigante consumido na tela vermelha de fundo que estampou seu lento extermínio para o mundo todo seja, hoje, o símbolo de que a História, Ciência e Cultura devem ser prioridade de um país que não queira ser condenado ao próprio anonimato. Porque, como disse Marcus Garvey, “um povo sem o conhecimento da sua história, origem e cultura é como uma árvore sem raízes”. Não percamos o foco, nas palavras do então diretor do Museu Nacional, Prof. Dr. Alexander Kellner. Não deixemos que esta, como tantas outras tragédias, tenham acontecido em vão! Luto por tudo o que se perdeu, resistência para tudo o que ainda pode ser erguido! Força, gigante! #LUTO

Profa Dra. Fabiana Rodrigues Costa Nunes fez seu mestrado e doutorado em Zoologia no Museu Nacional/UFRJ e foi pesquisadora de Pós-doutorado no Museu Nacional/UFRJ, tendo sido vinculada ao Departamento de Geologia e Paleontologia do Museu Nacional – Setor de Paleovertebrados. Hoje é professora da UFABC, sendo vinculada ao Centro de Ciências Naturais e Humanas (CCNH).

Fontes:

Fonte da imagem destacada: By Felipe Milanez (Sent by the photographer — OTRS-sent) [CC BY-SA 4.0 ], via Wikimedia Commons

Compartilhe:

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *