(Português do Brasil) Qual a origem do novo coronavírus? (V.3, N.4, P.7, 2020)

Facebook Twitter Instagram YouTube

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Reading time: 3 minutes

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

#acessibilidade Ilustração do mapa-múndi em 3D com os continentes em um azul de tom mais claro e o oceano com tom escuro. Ao longo de todo o mapa há pontos vermelhos luminosos e sobre o mapa há uma ilustração do coronavírus.

Texto escrito pela colaboradora Heloísa de Cássia

The Proximal origin of SARS-CoV-2 disponível em Nature Medicine, volume 26, pages 450 – 452 (2020)

Diante do cenário causado pela COVID-19, diversos cientistas têm se mobilizado ao redor do mundo para coletar e investigar informações a respeito do vírus causador da doença, SARS-CoV-2, o novo coronavírus. Em 17 de março de 2020, foi publicado na revista Nature o artigo “The Proximal origin of SARS-CoV-2”, que promove comparações entre os vírus da família corona encontrados em morcegos e humanos, fornecendo informações acerca da origem do vírus.

Para dar início a essa discussão inicialmente é feita uma revisão das caracterizações do vírus. De acordo com os estudos estruturais e experimentos bioquímicos apresentados, a estrutura do SARS-CoV-2 propicia alta afinidade na ligação com a Enzima Conversora de Angiotesina-2 (ACE2), localizada nas membranas de células presentes nos pulmões, nas artérias e nos rins. Entretanto, em paralelo aos dados empíricos, a análise computacional sugere que essa interação não seria ideal e que a sequência do domínio de ligação ao receptor (do inglês, receptor binding domain, RBD) é diferente do primeiro SARS-CoV. Dessa forma, os cientistas afirmam que a alta afinidade entre a enzima e o vírus da COVID-19, é produto de um processo de seleção natural, o que permite uma nova solução de ligação não predita. Eles apontam que essa é uma forte evidência de que o vírus em questão não é produto de manipulação em laboratório.

Desta forma, são propostas duas possibilidades para a origem do vírus. (i) seleção natural em hospedeiro animal anterior à transmissão zoonótica e (ii) seleção natural em humanos após a transmissão zoonótica. A transmissão zoonótica corresponde ao processo no qual uma doença animal passa a infectar humanos.

Para analisar o cenário (i), o novo coronavírus pode ser comparado com espécies presentes em morcegos (às quais ele é muito similar, porém a ligação com ACE2 é improvável) e em pangolins (aos quais as mutações do RBD em questão são mais parecidas, mas a semelhança estrutural é menor). Apesar de nenhuma das estruturas usadas na comparação poder ser apontada como progenitora, a diversidade de coronavírus em morcegos pode ser um fator que favoreça a mutação. Esses aspectos podem fundamentar a hipótese de seleção natural em hospedeiro animal anterior à transmissão zoonótica.

Em relação ao cenário (ii), é apresentada a possibilidade de o progenitor ter infectado um ser humano e, no processo de transmissão humano-para-humano, ter adquirido as características apresentadas e os recursos genéticos necessários para permitir que a pandemia decolasse. Estimativas apontam o surgimento do vírus no final de novembro de 2019 para o começo do mês seguinte, compatível com as primeiras confirmações. Esse cenário pressupõe um período de transmissão não reconhecida entre humanos, no qual pode ter acontecido o processo de mutação e adaptação discutido anteriormente.

As evidências apresentadas corroboram para que haja um consenso de que o desconhecimento do progenitor do SARS-CoV-2 torna muito improvável que o mesmo tenha sido gerado em meios de cultura ou manipulado de qualquer outra forma em laboratório. Ainda que não trabalhe no fornecimento de um tratamento direto para COVID-19, o trabalho apresenta informações de extrema relevância na criação de políticas e técnicas de prevenção de eventos zoonóticos futuros relativos ao novo coronavírus.

#fiqueemcasa

Esse texto foi originalmente publicado na página eletrônica do Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia/Química – UFABC como resultado do projeto de extensão “Implementação/manutenção de um programa de extensão na pós-graduação em Ciência e Tecnologia / Química”

Fontes:

Fonte da imagem destacada: Mapa vetor criado por starline – br.freepik.com

Para ler o artigo na íntegra, acesse: https://www.nature.com/articles/s41591-020-0820-9

Para saber mais:

Confira outros textos do Guia sobre a COVID-19

Compartilhe:

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *