(Português do Brasil) Máscaras contra o coronavírus: usar ou não usar? (V.3, N.4, P.3, 2020)

Facebook Twitter Instagram YouTube Spotify

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese and European Spanish. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in this site default language. You may click one of the links to switch the site language to another available language.

Reading time: 4 minutes

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

#acessibilidade Ilustração de quatro pessoas usando máscaras de três modelos diferentes.

Já faz algum tempo que a imagem de pessoas mascaradas pela rua se tornou algo corriqueiro, principalmente nas cidades metropolitanas do país onde se concentram a maioria dos casos da doença causada pelo novo coronavírus. Mas será que essa medida é mesmo necessária?

A principal forma de contágio é pelas gotículas de saliva que carregam o vírus, por meio da fala e da tosse. A transmissão do novo coronavírus também se dá por intermédio das mãos que tocam superfícies contaminadas e levam o vírus ao nariz, boca e olhos. Por isso, hábitos de higiene, como lavar frequentemente as mãos com água e sabão e usar álcool 70%, nas situações em que a primeira medida não seja possível, são alguns dos principais meios de proteção pessoal. Em adição, cobrir o rosto com o antebraço ao tossir é uma prática que evita a disseminação do vírus e contaminação de outras pessoas.

Vimos na última semana o ministro da Saúde recomendar para aqueles que queiram usar máscaras e não apresentem sintomas da COVID-19, que façam o uso de produtos caseiros, deixando assim as máscaras cirúrgicas para os profissionais da saúde e pessoas infectadas, devido à escassez destes recursos. Porém, nas semanas anteriores recebemos das mesmas fontes a informação de que pessoas que não apresentem os sintomas e que não tenham suspeita da doença não devem usar máscaras. O que mudou? Qual a eficiência dessas máscaras para nossa proteção pessoal? Ela evita a proliferação do coronavírus?

Dado o crescente número de pessoas infectadas no país e considerando que algumas dessas pessoas podem não apresentar sintomas, mesmo portando o vírus, e assim, contaminar outras sem saber, o uso da máscara é recomendado a todos. Para aqueles que foram diagnosticados ou que trabalham na área da saúde, e portanto estão lidando constantemente com pessoas infectadas, recomenda-se o uso de máscaras com eficácia mínima na filtração de 95% de partículas de até 0,3 micrômetros, como a máscara N95/PFF2 ou máscara cirúrgica (a depender do procedimento clínico). Para os demais, que não apresentam sintomas da COVID-19, as máscaras caseiras são atualmente indicadas pelo Ministério da Saúde, apesar de não terem sua eficácia comprovada.

Pouco se sabe sobre a eficácia das máscaras, devido à ausência de estudos sobre o tema até o momento. No entanto, uma luz sobre esse assunto foi lançada com uma recente publicação na Nature, uma das revistas científicas de maior prestígio entre os pesquisadores da área de saúde e biologia. Neste trabalho, os pesquisadores avaliaram a eficiência das máscaras cirúrgicas frente a 3 grupos de vírus: influenza (da gripe comum), rinovírus (do resfriado) e coronavírus humano (da COVID-19).

Eles avaliaram 3.363 indivíduos, e dentre estes, 246 foram selecionados para os testes. Neste grupo, 17 pessoas apresentaram sintomas de infecção por coronavírus, 43 por influenza vírus e 54 por rinovírus. De maneira aleatória, alguns receberam máscaras e outros não para realizarem os testes. Tomando os devidos cuidados de proteção e segurança individual e coletiva, após um tempo foram coletadas amostras por esfregaço na região do nariz e pescoço dos indivíduos avaliados e em gotículas respiratórias expelidas no ar para determinar a carga viral. De maneira geral, a contagem de vírus foi maior para as amostras retiradas na região do nariz do que no pescoço, e também foi maior para o coronavírus do que para influenza e rinovírus para todos os participantes (com e sem máscara).

Nas amostras de gotículas respiratórias coletadas, sem o uso das máscaras, foram identificados 30%, 26% e 28% do coronavírus, influenza e rinovírus, respectivamente. Enquanto que para os aerossóis (partículas menores que 5 micrômetros) a porcentagem foi de 40%, 35% e 56%, na mesma ordem para os tipos de vírus e nas mesmas condições. Evidenciando assim, que existe uma maior carga viral em aerossóis do que nas gotículas respiratórias. Para as amostras de gotículas respiratórias e de aerossóis, coletadas em participantes que usaram máscaras, não foi identificado coronavírus nas amostras. No entanto, para o vírus influenza a mesma eficácia das máscaras cirúrgicas não foi comprovada para as gotículas menores (em aerossóis), e para rinovírus a máscara cirúrgica não se mostrou eficiente para barrar as gotículas respiratórias nem os aerossóis.

Assim, podemos dizer que os estudos sugerem que o uso de máscaras podem ajudar a conter a transmissão do vírus para outras pessoas. Todavia, a eficiência de máscaras caseiras pode depender de outros fatores, como o tipo de tecido e ajuste no rosto, por exemplo. Além disso, é indispensável manter os hábitos de higiene já mencionados e cuidados extras no manuseio da máscara, descarte e/ou higienização da mesma, para não levar a contaminação por outras vias. No mais, o distanciamento social ainda é a maneira mais eficiente e recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para conter o vírus. Somente reduzindo as interações sociais podemos garantir a redução da circulação do vírus entre as pessoas. Por isso, se você puder, fique em casa!

Fontes:

Fonte da imagem destacada: Pessoas vetor criado por freepik – br.freepik.com

https://www.nature.com/articles/s41591-020-0843-2.pdf

https://drauziovarella.uol.com.br/coronavirus/mascara-contra-o-coronavirus-e-hora-de-usar/

https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/04/usar-ou-nao-mascaras-para-prevenir-coronavirus-oms-diz-que-nao-eua-reveem-indicacao.shtml

https://pfarma.com.br/noticia-setor-farmaceutico/saude/5254-mascara-coronavirus.html

https://portal.fiocruz.br/noticia/gripe-ou-resfriado-virologista-da-fiocruz-explica-diferenca

https://amb.org.br/noticias/prevencao-para-o-profissional-da-saude-coronavirus/

Para saber mais:

Confira outros textos do Guia sobre a COVID-19

https://www.bbc.com/portuguese/brasil-52101848

https://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/46645-mascaras-caseiras-podem-ajudar-na-prevencao-contra-o-coronavirus

Vídeo Coronavírus – Como construir uma máscara de proteção de baixo custo? do canal Projeto ENSINANO do IQ-USP no YouTube

https://www.wired.com/story/its-time-to-face-facts-america-masks-work/

https://www.theatlantic.com/newsletters/archive/2020/04/the-debate-over-masks/609391/

https://www.theguardian.com/world/2020/apr/03/can-a-face-mask-protect-me-from-coronavirus-covid-19-myths-busted

https://www.cbsnews.com/news/coronavirus-face-mask-symptoms-prevent-protect/

https://time.com/5794729/coronavirus-face-masks/

https://www.cnbc.com/2020/03/02/coronavirus-do-face-masks-work-and-how-to-stop-it-from-spreading.html

 

Compartilhe:

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *