(Português do Brasil) Os impactos da COVID-19 intensificados sobre a comunidade LGBTQIA+ (V.3, N.6, P.9, 2020)

Facebook Twitter Instagram YouTube Spotify

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Reading time: 9 minutes

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

#acessibilidade Foto de um homem utilizando uma máscara com as cores do arco-íris.

Primeiramente este aqui que vos escreve gostaria de explicitar meus recortes de privilégios e me colocar no local de fala de homem branco cisgênero que atende a maior parte das “exigências”/expectativas heteronormativas da sociedade. Mas porque alguém abre um texto desta natureza com esta informação?

Talvez valha a pena começar a explicação pela (re)apresentação do conceito de interseccionalidade. Esta é pensada como uma categorização teórica que focaliza múltiplos sistemas de opressão que agem sobre grupos de vulnerabilidade social, tais como o racismo, machismo, LGBTQIA+fobia e seus desdobramentos, capacitismo, etc. A interseccionalidade então evidencia que as diversas pessoas dentro da comunidade LGBTQIA+ podem sofrer com múltiplos sistemas de opressão diferentes que intensificam ainda mais a vulnerabilidade destes. Estes sistemas de opressão se instalam dentro da estrutura de exploração patriarcal-racista-capitalista constituindo um sistema de opressão-exploração.

Assim, cada um dos sistemas vulnerabiliza os indivíduos tendo como eixo central a questão de classe e os diversos desdobramentos que intensificam a agressividade sobre o indivíduo de acordo com o número de sistemas de opressão que você integra e quais são eles. Lembrando que, pra quem não se enquadra nos padrões cisgêneros heteronormativos, além da opressão familiar, em alguns casos as condições estruturais da sociedade o colocam em mais desigualdade, em especial no enfrentamento à COVID-19. Isso fica evidente nas formas de exclusão da própria comunidade ao acesso ao mercado de trabalho para as pessoas transsexuais e transgêneras, muitas vezes abandonadas a própria sorte e relegadas à prostituição.

visibilidade lgbt - (Português do Brasil) Os impactos da COVID-19 intensificados sobre a comunidade LGBTQIA+ (V.3, N.6, P.9, 2020)

#acessibilidade Tirinha de 2019 assinada pelo quadrinista Ribs sobre visibilidade. À esquerda uma mulher usando uma camiseta com o símbolo de Vênus usa uma lupa para enxergar a letra L, minúscula em relação às outras. Em seguida a letra G, enorme, está pintada com as cores do arco-íris. A letra B, um pouco menor, é pintada de branco e aparece quase invisível. Por último, a letra T é representada por uma cruz preta deitada sobre uma poça de sangue.

Esta exclusão é um dos exemplos, a invisibilização e a padronização são outras formas de agressão e sempre duram no limite na capacidade de monetização do capital, afinal, se der pra lucrar com o preconceito serão preconceituosos, mas se der mais lucro associar-se à bandeira LGBTQIA+ é pra lá que eles vão. Na dúvida, tente ir a fundo e ver o quadro de funcionários e se as posições que ocupam nestas empresas respeita a diversidade como um todo, ou se ela foca no homem branco cisgênero heteronormativo preferencialmente.

itau pride - (Português do Brasil) Os impactos da COVID-19 intensificados sobre a comunidade LGBTQIA+ (V.3, N.6, P.9, 2020)

#acessibilidade À esquerda print do perfil do Facebook do Bando Itaú com a bandeira do arco-íris em homenagem ao Dia Internacional do Orgulho LGBT, à direita print da manchete “Gerente do Itaú é demitido depois de postar fotos beijando o namorado” com uma foto da fachada do banco.

É importante ressaltar que, para muitos integrantes desta comunidade, a estrutura familiar exerceu durante a nossa formação como seres humanos um ambiente pouco saudável e muitas vezes nada subsidiador da formação psicológica sem traumas. E muitas famílias continuam exercendo este papel até hoje, logo, estar em quarentena, para muitos, é estar preso em um ambiente que te é agressivo, um ambiente com seus assediadores pertencentes à estrutura familiar. E ainda quanto mais longe do modelo/padrão idealizado, mais marcas tendem a ficar nas pessoas que estão fora deste molde.

Claro, pressupondo que todos têm casa e que nenhuma família condena seus membros LGBTQIA+ à rua e ao abandono afetivo. Nestes cenário, nós precisaríamos abrir um parênteses só pra discutir o cumprimento do artigo 1º, inciso III da Constituição Federal, que garante a dignidade da pessoa humana, e o artigo 7º, inciso IV, da mesma carta magna, que descreve as necessidades primordiais que o Estado deveria garantir a todas(os) trabalhadoras(es) e contempla entre eles o direito à moradia. Ambos os direitos são descritos como fundamentais para a constituição do Estado Democrático de Direito, entretanto, discorrer estes temas levariam por si só um texto cada um a parte de uma pessoa mais especializada nestes temas do que eu.

familia modelo - (Português do Brasil) Os impactos da COVID-19 intensificados sobre a comunidade LGBTQIA+ (V.3, N.6, P.9, 2020)

#acessibilidade Tirinha da quadrinista Laerte em que há um recipiente um monte de pessoas de todos os tipos e dois homens brancos de terno e uma mulher puxam esse recipiente de forma a despejar todas essas pessoas em direção a um molde de família, onde há espaço para um homens e uma mulher adultos padrões e um menino e uma menina.

De doença a conquista de (poucos e tardios) direitos

O dia 28 de junho, o próximo domingo, é um dia emblemático para a causa. Se comemoram 51 anos da Revolta de Stonewall, um marco nesta dura escalada na busca de direitos represados. Já tive a oportunidade de escrever sobre esta data em outro texto neste blog, então vou tentar focar em outras questões desta vez para não parecer repetitivo.

No último 17 de maio completou-se 30 anos que a OMS (Organização Mundial de Saúde) retirou a homossexualidade da Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID). Para as pessoas transexuais apenas ano passado, em 25 de maio de 2019, que a transexualidade, até então doença mental, foi retirada desta lista e o CID continua a existir apenas com a finalidade que as pessoas consigam fazer a transição pelo sistema de saúde.

Os membros da comunidade LGBTQIA+ sofrem além de todos os tipos de violência citados, a ocultação da real causa da suas mortes, uma vez que os dados do governo são questionados pela comunidade internacional e por grupos de defesa dos diretos, como o GGB (Grupo Gay Bahia) e ANTRA (Associação Nacional de Travestis e Transexuais). No mundo ainda se morre apenas por ser LGBTQIA+ e, apesar da sensível redução de assassinatos em 2019, os número de 2020 pré-COVID já apontavam um forte aumento de assassinatos deste grupo de pessoas. Estes grupos e coletivos ainda tem lutado em muitos estados e municípios pela criação dos conselhos LGBTQIA+ e que estes sejam representativos para fiscalização e proposição de políticas públicas, o que tem acontecido de forma bem lenta pelo Brasil afora.

Outro exemplo se dá na equiparação da LGBTQIA+fobia ao crime de racismo apenas ano passado pelo STF (Supremo Tribunal Federal), o que seria, apesar de tardio, um grande avanço se não fosse o fato deste crime não ter um condenado até hoje, já que todos os casos foram tratados como injúria racial que coincidentemente tem a pena bem mais branda.

Ainda no campo dos direitos que estão tardiamente sendo reconhecidos, podemos destacar que a possibilidade de doação de sangue foi conquistada apenas há poucos dias. [Ironia] Nada mal para quem só teve a presença garantida no CENSO a partir de 2010. [/Ironia] Isso pode parecer pouco, mas durante o avanço que vivemos de neopentecostais fundamentalistas em todos os poderes da nação e na consequente perda (ou não avanço na conquista) de direitos, é uma vitória.

Este momento que vivemos é tenebroso para todos, mas acredito que tenha ficado claro, mesmo que de forma superficial e sem ouvir demais representantes das outras letras da sigla, como os poucos direitos conquistados e a vulnerabilidade pré-COVID intensificam a exposição da nossa comunidade LGBTQIA+ a este segundo genocídio promovido por Bolsonaro e Mourão. Entretanto, num momento deste que a garantia da vida deveria estar acima dos lucros, assistimos a um governo hostil a sua própria população, provocando genocídio e capaz de ser generoso apenas com o sistema financeiro e bancário.

Assim, acredito eu que não podemos defender quem nos tira direitos e legitima a violência contra nós, como Bolsonaro, tão pouco quem nos trata como moeda de troca, já que o kit para combater a LGBTQIA+fobia foi retirado de pauta na busca por apoio pelo governo Dilma.

Uma saída? Vamos de solidariedade e inclusão! De corpo, alma e coração, pois, sem a ampla defesa dos diversos integrantes da nossa comunidade dotados de recortes de vulnerabilidade hoje, não teremos forças suficientes amanhã para as lutas que nos aguardam no pós-COVID-19. E mesmo se tivermos, não valerá a pena chegar até lá perdendo a nossa pluralidade.

infografico lgbtq - (Português do Brasil) Os impactos da COVID-19 intensificados sobre a comunidade LGBTQIA+ (V.3, N.6, P.9, 2020)

#acessibilidade Infográfico feito pela empresa Bluevision sobre O que significa a sigla LGBTQIA+. Acima o título “O que significa a sigla LGBTQIA+?”, ao lado de “Movimento político e social de inclusão de pessoas de diversas orientações sexuais e identidade de gênero tem uma sigla repleta de letras. Entenda o que elas significam e a importância que elas têm” e logo abaixo “Nascido sob a sigla GLS, o movimento político e social de inclusão de pessoas de diversas orientações sexuais e identidades de gênero mudou muito e passou a incluir pessoas não heterossexuais e não cisgênero. Assim, sua sigla cresceu e incorporou diversas letrinhas – todas elas igualmente importantes, mas várias desconhecidas por muita gente. Entenda o que significa cada uma delas e qual o sentido do “+” em seu final. Abaixo há ilustrações de cada letra. O L, pintado de laranja, está associado ao símbolo duplo de Vênus, que representa a homossexualidade feminina, e com a descrição “Lésbicas, mulheres que sentem atração afetivo/sexual pelo mesmo gênero”. O G, pintado de roxo, está associado ao símbolo duplo de Marte, que representa a homossexualidade masculina, e com a descrição “Gays, homens que sentem atração afetivo sexual pelo mesmo gênero”. O B, pintado de verde, está associado ao símbolo da bissexualidade, um símbolo de Vênus e um de Marte ligados formando um símbolo do infinito com um círculo ao centro atrás deles, e tem a descrição “Bissexuais, homens e mulheres que sentem atração afetivo/sexual pelos gêneros masculino e feminino. As pessoas que sentem atração afetiva/sexual por todos os gêneros se identificam como pansexuais. O T, pintado de vermelho, está associado ao símbolo universal transgênero, que mistura o de Vênus e o de Marte, com um círculo, uma seta na diagonal superior direita, uma cruz na parte de baixo e a união de uma seta e uma cruz na diagonal superior esquerda, e tem a descrição “Transexuais ou transgêneros, pessoas que se identificam com outro gênero que não aquele atribuído no nascimento, inclusive dentro do espectro não-binário. Trata-se de um conceito relacionado à identidade de gênero e não à orientação sexual/afetiva. A letra Q, pintada de azul, está associada ao símbolo não-binário, um círculo com uma reta saindo da parte superior e com um X em cima da reta, e com a descrição “Queer, pessoas que se auto identificam como gênero queer transitam entre os gêneros feminino e masculino ou em outros(s) gênero(s) no(s) qual(is) o binarismo não se aplica. O termo faz referência à teoria queer, que afirma que orientação sexual e identidade de gênero são o resultado de uma construção social e não de uma funcionalidade biológica. A letra I, pintada de roxo, está associada a um símbolo que mistura o de Vênus e o de Marte e com a descrição “Intersexo, pessoas cujo desenvolvimento sexual corporal – expressado em hormônios, genitais, cromossomos, e/ou outras características biológicas – não se encaixa na norma binária”. A letra A, pintada de laranja, está associada a um círculo simples e com a descrição “Assexual, pessoas que não sentem atração afetiva e/ou sexual por outras pessoas, independentemente do gênero. O + tem a descrição “abriga todas as diversas possibilidades de orientação sexual e/ou de identidade de gênero que existam. Abaixo há o histórico da sigla, começando com GLS e a descrição “GLS foi a primeira sigla a identificar o movimento político e social da luta por direitos das pessoas homossexuais, bissexuais, transsexuais e/ou identificadas com qualquer orientação não heterossexual e/ou cisgênero. A sigla representa as inicias dos termos ‘gays’, ‘lésbicas’ e ‘simpatizantes’, em referência àqueles que apoiavam no movimento”, GLBT e a descrição “A sigla foi atualizada para abarcar mais espectros da sexualidade e identidade de gênero que apenas ‘gays’ e ‘lésbicas’. Foram incluídas as letras ‘B’, para bissexuais, e ‘T’, para transexuais. A letra ‘S’ foi retirada, pois, embora o apoio dos simpatizantes seja considerado bem-vindo, entende-se que o protagonismo do movimento deve ser de seus próprios agentes.” e por fim LGBT com a descrição “Letra ‘L’ passou à frente da letra ‘G’ para acentuar a necessidade de buscar equidade de gênero, dentro da população LGBTQIA+.

Fontes:

Fonte da imagem destacada: Pablo Alvarenga / Agência O Globo

Fonte da imagem 1: Ribs

Fonte da imagem 2: print via Reddit

Fonte da imagem 3: Laerte Coutinho

Fonte da imagem 4: Bluevision

https://doi.org/10.1590/0101-6628.153

Compartilhe:

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *