(Português do Brasil) Produzimos oxigênio em Marte. E agora? (V.4, N.6, P.1, 2021)

Facebook Twitter Instagram YouTube Spotify

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Tiempo de leer: 3 minutos

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

#acessibilidade Imagem do planeta Marte, com cor avermelhada, em um fundo preto. Seus polos aparecem esbranquiçados devido à presença de calotas de gelo.

No dia 18 de fevereiro de 2021, o rover Perseverance pousou na cratera Jazero, em Marte, como parte da missão Mars 2020 da NASA. O rover chegou acompanhado de inovações, entre elas o experimento MOXIE, que funcionou pela primeira vez em solo marciano no dia 20 de abril de 2021, produzindo oxigênio. Mas o que isso significa para nós?

O primeiro ponto a se levantar é a exploração de Marte. Você já deve ter se perguntado “por que Marte?” e a resposta está não só nas condições climáticas e geológicas do planeta, muito semelhantes às da Terra, como também na nossa história — e, com “nossa”, me refiro à humanidade.

Marte é alvo de observações desde a antiguidade: foi observado por babilônios e por gregos muitos anos antes de Cristo. Tycho Brahe estudou o movimento aparente do planeta, Galileu propôs a existência de calotas em seus polos e Giovanni Schiaparelli observou listras sobre a sua superfície. O que todas essas pessoas tinham em comum? Algo intrínseco aos seres humanos: a curiosidade.

Hoje, depois de diversas missões enviadas ao Planeta Vermelho por vários países, sabemos que existem algumas semelhanças entre ele e a Terra, como as mudanças climáticas sazonais, a presença de calotas nos polos e eras glaciais periódicas. Considerando essas semelhanças, estudar Marte pode nos ajudar a entender diversos aspectos da Terra, o que explica a importância das missões destinadas ao planeta.

Porém, mesmo com todas essas semelhanças, Marte tem uma grande diferença quando comparado à Terra: sua atmosfera. Cerca de 99% dela é CO2 e a quantidade de oxigênio corresponde a menos de 1% do total. A atmosfera do Planeta Vermelho é pouco densa e muito rarefeita, e esse é um fator que pode impedir as missões de estudo. O oxigênio é essencial não apenas para a sobrevivência de astronautas, mas também para a propulsão dos foguetes (que, ao contrário do que muitos pensam, é o foco principal do experimento MOXIE).

O MOXIE, do inglês Mars Oxygen In-Situ Resource Utilization Experiment, produz oxigênio por meio de processos eletroquímicos em alta temperatura, utilizando a fina atmosfera marciana. Ele coleta, comprime e aquece o ar marciano, que é enviado para um sistema que divide o CO2 em O2 e CO por um processo chamado eletrólise de óxido sólido. Pode parecer um pouco complexo, mas isso é bastante semelhante a algo que acontece o tempo todo aqui no planeta Terra: a fotossíntese.

Sabemos que, no processo de respiração, nós absorvemos O2 e liberamos CO2 para o ambiente. As plantas realizam um processo “espelhado”, absorvendo CO2 do ambiente e liberando O2. Se algo parecido com esse processo pudesse ser anexado a um rover e enviado para Marte, poderíamos testar essa produção no Planeta Vermelho.

É exatamente isso que estamos fazendo com o MOXIE: testando. No primeiro teste, o experimento produziu 5,4g de oxigênio (o que seria suficiente para manter um astronauta vivo por uma hora, se fosse necessário). Agora, outros testes serão realizados em diferentes condições e, caso tudo dê certo, não precisaremos enviar tanto oxigênio para lá, o que reduziria muito os gastos.

O oxigênio produzido pelo experimento é o ingrediente fundamental para a queima de combustível do foguete, necessário para voltarmos para a Terra, nossa única casa. Nosso planeta ainda é o único lugar no universo que conseguimos habitar: é importante não esquecer disso.

Fontes:

Fonte da imagem destacada: ESA & MPS for OSIRIS Team MPS/UPD/LAM/IAA/RSSD/INTA/UPM/DASP/IDA, CC BY-SA 3.0 IGO

https://www.cnnbrasil.com.br/tecnologia/2021/04/16/por-que-marte-saiba-mais-sobre-o-fascinio-em-explorar-o-planeta-vermelho

http://www.petquimica.ufc.br/saiba-como-o-novo-robo-da-nasa-produzira-o2-de-marte/

http://www.academico.uema.br/DOWNLOAD/FotossinteseKluge[1].pdf

Vídeo Oxigênio em Marte? Afinal, qual a importância?” do canal Meninas da Física no YouTube

Para saber mais:

https://mars.nasa.gov/mars2020/spacecraft/instruments/moxie/

https://mars.nasa.gov/mars2020/spacecraft/instruments/moxie/for-scientists/

Outros divulgadores:

Vídeo CARACA, OXIGÊNIO EM MARTE! do Canal do Schwarza no YouTube

Vídeo PRODUZIMOS OXIGÊNIO EM MARTE!!! do canal Space Today no YouTube

Compartilhe:

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *