(Português do Brasil) Dopamina: a molécula da síndrome de Parkinson (V.1, N.5, P.4, 2018)

Facebook Twitter Instagram YouTube

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Reading time: 2 minutes

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese and European Spanish. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in this site default language. You may click one of the links to switch the site language to another available language.

#acessibilidade Estrutura química da Dopamina C 8 H 11 N O 2.

Lentidão nos movimentos, rigidez muscular, tremores, cansaço sem causa aparente, apatia. Estes são alguns dos sintomas de quem possui deficiência na disponibilidade de dopamina, molécula esta que é produzida em uma região do cérebro conhecida por substância negra (ou nigra) do mesencéfalo. A morte ou degradação de células desta região causa um “desabastecimento” de dopamina no corpo, provocando os efeitos apontados no início do texto, que no final das contas passam a ser conhecidos por Síndrome de Parkinson (SP). A dopamina possui, como uma de suas funções primordiais, o controle dos movimentos finos, do equilíbrio e da estabilidade postural.

Longe de ser uma doença negligenciada, a SP conta com muitos recursos humanos e financeiros para que se encontre a cura. No entanto, ainda hoje a doença é considerada incurável e progressiva, além de não possuir um prognóstico definido: algumas pessoas convivem bem com a SP por toda a vida, enquanto que outras se tornam severamente incapazes em curto tempo pós-diagnóstico, com comprometimento inclusive nas capacidades cognitivas e mentais. É comum dizer que cada doente possui o seu próprio Parkinson. Neste sentido, em um virtual diagnóstico, o paciente deve ter em mente que existe uma grande chance de que sua vida prossiga de maneira saudável, até mesmo muito próxima da normal.

O diagnóstico da doença não é trivial, sendo baseado principalmente em dados clínicos, histórico do paciente, dentre outros, pois não existe um exame específico para detectar esta síndrome. Exames complementares, como eletroneuromiografia, ressonância magnética e tomografia computadorizada podem ser úteis para excluir outras doenças que geram os mesmos tipos de sintoma, ou seja, o diagnóstico de SP é também realizado por exclusão. Seu tratamento é realizado principalmente com o uso de drogas que atuam como agonistas (substância capaz de se ligar a um receptor celular e ativá-lo para provocar uma resposta biológica) ou como precursoras da dopamina. Dentre a mais conhecida está a levodopa, droga-padrão no tratamento do Parkinson. Apesar de seus efeitos colaterais e tolerância, a levodopa sem dúvida causou uma revolução na melhora de qualidade de vida de muitos pacientes.

Fontes:

Fonte da imagem destacada: By Harbin [Public domain], from Wikimedia Commons

Para saber mais:

http://parkinsonhoje.blogspot.com/p/substancia-negra.html, acessada em 20/09/2018

https://www.erichfonoff.com.br/blog/levodopa-a-medicacao-que-revolucionou-o-tratamento-de-parkinson/, acessada em 20/09/2018

Compartilhe:

Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *