Perigos na mistura de produtos de limpeza! (V.3, N.9, P.3, 2020)

Facebook Twitter Instagram YouTube
Tempo de leitura: 4 minutos
#acessibilidade Foto de uma superfície branca com vários produtos e objetos usados para limpeza posicionados nas bordas. Dentre eles há esfregões, esponjas, luvas, borrifadores e outras embalagens de produtos de limpeza.

Texto escrito pela colaboradora Márcia Guekezian

Os produtos de limpeza são produzidos com base em sua própria formulação e são considerados agentes desinfetantes, sendo assim devem ser sempre usados separadamente. É muito comum as pessoas pensarem que vários produtos de limpeza utilizados simultaneamente potencializam a limpeza, porém, muitas vezes, por falta de informação, não sabem que tais combinações podem causar reações químicas e formar novos compostos químicos perigosos e muito prejudiciais à saúde, resultando em queimaduras, intoxicação respiratória ou mesmo uma explosão.

A água sanitária é um dos produtos de limpeza que não deve ser misturada a outras substâncias. Ela tem como princípio ativo o hipoclorito de sódio, que apresenta propriedades germicidas e pode ser usado como alvejante de roupas, além de ser suficientemente forte para matar todos os vírus que têm camada lipoproteica. É uma solução prática e de baixo custo, mas a combinação dela com outros produtos de limpeza pode ser perigosa. Misturada com álcool em gel, por exemplo, destrói tanto o hipoclorito de sódio da água sanitária quanto o álcool do álcool em gel. O hipoclorito é um agente oxidante e pode oxidar o álcool formando outro composto, o acetaldeído. Este é tóxico, podendo causar irritação e queimadura. Outros produtos decorrentes da mistura são o clorofórmio e o ácido muriático. Estes compostos podem prejudicar o sistema nervoso central e afetar os pulmões, rins, fígado, olhos e a pele. Além disso, altos níveis de clorofórmio podem causar enjoos, perda de consciência e até mesmo a morte. Outro exemplo é a água sanitária misturada com amoníaco ou com desinfetantes (tem amônia em sua formulação), essa é uma das misturas que mais pode agredir o sistema respiratório, além disso o amoníaco em grandes quantidades é potencialmente explosivo e tóxico. Os desinfetantes, ricos em amônia, quando misturados ã água sanitária, formam cloroaminas, substâncias que, se inaladas, podem causar problemas de saúde que vão desde alergias até intoxicações e queimaduras. Pode-se citar ainda a mistura de água sanitária e vinagre, pois quando combinados formam o gás cloro (Cl2), que mesmo em pequenas quantidades pode ocasionar problemas de respiração, ardência nos olhos e ainda provocar queimaduras. Outra mistura que deve ser evitada é a água sanitária com detergente, pois pode causar problemas para a saúde. O ideal é usar a água sanitária primeiro, enxaguar com água e só depois usar o detergente. Assim como os desinfetantes, os detergentes também podem conter aminas. Assim, a mistura desse produto com a água sanitária leva à formação das cloroaminas, que prejudicam as vias respiratórias. Destaca-se que essa mistura pode ocorrer involuntariamente quando se limpa a pia e não se enxágua o resquício de detergente que fica na cuba. Portanto, deve-se eliminar todo o detergente antes de aplicar água sanitária.

Outros produtos, considerados alternativos para limpeza, mas para misturá-los é necessário ter cuidado, são bicarbonato de sódio com o vinagre. O vinagre é uma substância ácida, o bicarbonato de sódio é uma substância básica, a mistura dos dois resulta em água e acetato de sódio, isto é, perde as propriedades de limpeza que esses produtos tinham e ainda ocorre uma reação com liberação de dióxido de carbono (CO2). A espuma de dióxido de carbono formada não é tóxica, mas se realizada em um recipiente fechado, pode levar a explosão. Outra mistura a ser evitada é de vinagre com água oxigenada, pois ocorre a formação do ácido peracético, que em alta concentração pode causar irritações na pele, nos olhos e no sistema respiratório. Se esta mistura for ainda armazenada em recipiente fechado, a liberação de oxigênio poderá aumentar a pressão interna e acabar rompendo o frasco, causando explosão.

Para segurança, não esquecer de:

• Manter os produtos de limpeza em recipientes originais com seus rótulos.

• Eliminar ou limitar o uso de água sanitária e amoníaco em casa.

• Usar muita água após usar água sanitária.

• Nunca misturar água sanitária com outros produtos de limpeza.

• Seguir as normas de segurança presentes nos rótulos dos produtos.

• Manter os produtos de limpeza longe do alcance de crianças e animais domésticos.

• Nunca misturar produtos de limpeza de diferentes marcas, mesmo que eles sejam do mesmo tipo ou tenham o mesmo princípio ativo.

Durante a limpeza, o ideal é deixar portas e janelas do ambiente abertas e utilizar os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) adequados, pois com isto aumenta a ventilação e evita-se contato direto com substâncias presentes nos produtos de limpeza.

Fontes:

Fonte da imagem destacada: Designed by Freepik

Compartilhe:

3 comentário(s) em “Perigos na mistura de produtos de limpeza! (V.3, N.9, P.3, 2020)

  1. Olá Márcia. Vi num curso voltado para produtores de leite que para desinfectar os tetos das vacas (pré dipping) como uma solução fácil, barata e eficiente foi indicado o seguinte: Cloro 0,2%
    (para cada 1 litro de água, usar 2 mL
    de cloro) ou iodo a 0,25% (para cada
    1 litro de água, usar 2,5 mL de iodo)
    + 200 ml de detergente neutro para
    formar a espuma.
    Exite problema nesta formulação? Ficarei muito grato se puder me esclarecer, pois uso esse preparado todos os dias, 2x/dia em cada vaca. Muito grato!

    1. Olá Leandro. Sou técnico em alimentos graduado em farmácia e microbiologia.
      O mais indicado nesses casos é a utilização de clorexidina, não sei se observou rachaduras nos tetos ou nas mãos do aplicador, isso é resultado do cloro. A clorexidina pode ser utilizada no pré dipping e após a ordenha por tem ação seladora. Já sobre as misturas de produtos não há problema algum nesse caso, só se atente porque dependendo da raça de suas vacas esse problema é identificado. Uma das mais afetadas nas quais trabalhei é a Holandesa.
      Qualquer coisa converse com seu técnico, seu propósito é tirar dúvidas e acompanhar pelo menos uma vez a cada 15 dias o processo, a fim de tirar tuas dúvidas e identificar pequenos problemas na linha.
      Espero ter ajudado!!

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *